quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Comer, rezar, amar

Quando completou 30 anos, Elizabeth Gilbert tinha tudo que uma mulher americana moderna, bem-educada e ambiciosa deveria querer - um marido, uma casa de campo, um projeto a dois de ter filhos e uma carreira de sucesso. Em torno dos 30 anos, enfrentou uma crise da meia-idade precoce: acabou pedindo divórcio e caindo em uma depressão debilitante e outro amor fracassado. Foi quando viu-se tomada por um sentimento de liberdade que ainda não conhecia e tomou uma decisão radical - livrou-se de todos os bens materiais, demitiu-se do emprego, e partiu para uma viagem de um ano pelo mundo - sozinha."Comer, Rezar, Amar" é o relato da autora sobre o ano que passou viajando ao redor do mundo em busca de sua recuperação pessoal. O livro ganhou uma versão para o cinema em 2008, com Julia Roberts no papel principal.

3 comentários:

Maria Beatrix disse...

Esse eu já li. Minhas filhas me deram de dia das mães. Até gostei, mas não consegui deixar de pensar que o que a autora queria mesmo é faturar. Muito comercial, pouco espiritual, principalmente p/ quem pssou um tempo num mosteiro, tentando se elevar...
To esperando o filme passar na TV. Achei que não valia a pena sair de casa p/ assistí-lo. Inda mais com Javier Bardan dando uma de brasileiro kkkk.

Abraços

angela disse...

Quatro milhões e um, pois comprei.
Estou na parte em que vai começar o amar.
Por enquanto estou achando ligeiramente divertido mas detestando a personagem. Egoista demais. Claro, não é literatura, é best seller, mas achei fraca a parte de comer, odiei a parte da india, curti Bali e , como ela pode ser divertida (e rica, né?) continuo , agora com esperança que ela comece a pensar no outro, nem que seja em um peixinho dourado!
http://cafezinhocombiscoito.blogspot.com

engenheiro almeida disse...

Me recomendaram não ir ver o filme. E não fui, e não irei...