terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Mil dias na Toscana

Há alguns anos, quando se conheceram, Marlena e Fernando se apaixonaram à primeira vista e começaram a viver uma história de amor que mais parecia um conto de fadas. Agora, decidem que chegou o momento de dar adeus a Veneza, onde tudo começou, e partem em busca de uma vida mais tranquila. Ela é americana, chef de cozinha e crítica gastronômica; uma mulher corajosa e cheia de entusiasmo. Ele é veneziano, bancário; um homem de vida pacata. O destino escolhido é San Casciano dei Bagni, um vilarejo com 200 habitantes, fontes termais e olivais centenários. De início, Fernando está mais empolgado do que Marlena. No entanto, nesse pedaço de terra onde a Toscana, a Úmbria e o Lácio se encontram, as amizades amadurecem à mesa, em torno de refeições gloriosas regadas a vinho tinto. O que poderia ser melhor para uma chef de cozinha? Novamente, Marlena e Fernando vivem um caso de amor à primeira vista. Dessa vez pela aldeia e pela vida no campo, pelos vinhos artesanais e pela esplêndida cozinha, pelo céu toscano e pelos sinos da igreja local. Mas, acima de tudo, pelo velho Barlozzo, que os recepciona, os adota e, aos poucos, também se apaixona por eles. Guiados pelo "duque", eles descobrem tabernas rústicas, onde o jantar é qualquer coisa que tenha sido colhida ou caçada naquele dia; participam da vindima; visitam festivais sazonais; catam castanhas no bosque; saem para caçar trufas e cogumelos selvagens; sobem em árvores para apanhar azeitonas, uma a uma, e depois experimentam o azeite recém-espremido sobre um pão simples de casca crocante. Assim que chegam, os vizinhos se apresentam para ajudar na mudança. Essa recepção simpática termina no bar local, com um banquete composto pelas mais variadas especialidades toscanas - todas em quantidades muito pequenas, exatamente o que seria servido em suas casas. Logo eles vão descobrir que, naquele lugar escondido, a vida gira em torno da boa mesa. É entre receitas de dar água na boca que o povo toscano discute as mais importantes questões filosóficas. Com diversas receitas do repertório da autora - inclusive a da tradicional bruschetta -, "Mil dias na Toscana" é uma deliciosa viagem a um lugar quase perdido no tempo, uma ode à amizade e às coisas que realmente importam na vida e uma história sobre um estilo de vida simples, doces paixões, amizades e refeições compartilhadas..

2 comentários:

angela disse...

Estou lendo agora Casa Na Toscana. Achava que era a do filme, mas no filme a moça que compra a casa é separada.. será que são dois com igual título?
Pronto, lá vou eu procurar esse também!!

http://cafezinhocombiscoito.blogspot.com

engenheiro almeida disse...

Oi, Angela! Eu procurei este título "Casa na Toscana" no Buscapé e não achei... O filme, igual ao livro que você citou, é o "Sob o sol da Toscana - em casa na Itália", do Francis Mayes.